06 novembro 2009

A página oficial da C.M.de Mangualde já tem nova cara … muito melhor cara!

Estas três caras vão colocar Mangualde no mapa do progresso. Espera-vos um enorme trabalho, sei que não vão parar e muito menos desistir, no entanto, não esqueçam a sabedoria popular e muito menos o provérbio: “ Quem te avisa teu amigo é


LOBO EM PELE DE CORDEIRO

Fábulas são narrativas de acontecimentos fingidos, inventados para instruir ou divertir as pessoas. Sendo assim, elas relatam histórias fictícias que visam dar representação concreta a uma idéia abstrata, ou, sobretudo, a um conceito moral. São diferentes das parábolas, pois enquanto estas não ultrapassam os limites do provável, do que é possível acontecer, as fábulas procuram sempre dar característica real ao fantástico, geralmente transferindo para os animais as qualidades e sentimentos pertencentes ao homem. Os fabulistas mais antigos deixaram obras muito interessantes, e dentre eles podem ser destacados Esopo, Fedro e La Fontaine, este último autor de 240 apólogos nos quais humanizava os animais, caracterizando-os com os costumes da sociedade francesa do século 17.

Na Grécia antiga, Esopo, um moralista e fabulista do século 6 a.C., encantou os seus contemporâneos com narrativas inteligentes, da mesma forma como se tornou famosa a fábula de Horácio sobre o rato do campo e o rato da cidade. E entre tantas outras histórias que corriam de boca em boca, também estava a do leão e do lobo que decidiram se associar na caçada que precisavam fazer, esperando com isso conseguir comida com mais facilidade. Depois de tudo acertado eles se puseram em campo, e quando abateram a primeira presa o leão a dividiu em três partes iguais. Surpreso, o lobo manifestou sua discordância e ouviu do sócio a seguinte explicação: uma das partes é minha porque sou o rei dos animais; a outra também é minha por direito de sociedade; e se fico com a terceira. é porque senão você vai se haver comigo.

Uma outra fábula com fundo moral semelhante fala do lobo que se disfarçou com uma pele coberta de lã e assim conseguiu entrar no rebanho de ovelhas, fazendo-se passar por uma delas tanto na aparência como no procedimento fingido, mas aproveitando essa condição para devorar as inocentes e desprevenidas vítimas. O conceito dessa história também está contido na passagem bíblica que recomenda: “Tenha cuidado com os falsos profetas que vêm a você em pele de cordeiro, mas que no fundo são lobos vorazes”.

Essa é a origem da expressão “lobo em pele de cordeiro”, usada com a finalidade de identificar aqueles que se fazem passar por gente correta para alcançar os seus objetivos desonestos e até mesmo criminosos. Por isso o lembrete de que contra esse tipo de gente, nunca é demais estar sempre bem prevenido.

FERNANDO KITZINGER DANNEMANN

6 comentários:

Anónimo disse...

O seu browser apenas mostra parte da página.

falta o sr. Dr. joão Lopes, não acha??

Terreiro disse...

Não, foi propositado. Só coloco as pessoas importantes e verdadeiramente válidas deste executivo!

Anónimo disse...

Ok. Concordo consigo. Já sabia a sua opinião. "Páraquedistas" também não são comigo.
Já somos dois, ams creio que há muitos, mas muitos mais!!!!!

Anónimo disse...

Ah!! E chamam-no Dr.!! Dr. de quê? e quando? Mas a personagem não se desfaz, nem corrige, enfim!!!

Anónimo disse...

Em Penalva também havia um DOUTOR...lembram-se? Um tal Luís, que afinal, só era segurança no Palácio de Gelo

Anónimo disse...

Só um reparo.Independentemente de serem apenas vereadores da oposição, eu já nem peço o Dr., mas ao menos Senhor e Senhora.Boa educação fica bem em todo o lado.